Uma amiga me contou que achou que estava grávida…

Era um dia qualquer de uma semana comum, não muito comum porque era uma semana em que minha amiga estava namorando (o que não era muito normal), no entanto, fazia poucas semanas que este fato se deu e um pouco menos de semanas antes havia acontecido aquilo que toda garota pensa pelo menos uma vez com seu primeiro namorado – mas não com pouquíssimas semanas de namoro.  Isso aconteceu umas 4 vezes até este dia em que conversávamos, foi quando (mais uma vez) caímos neste assunto e ela disse:

-Sempre usamos… algumas vezes não, mas…  acho que usamos de  precauções todas as vezes, eu nem penso na possibilidade de acontecer um “fato inconveniente” comigo. – ela parou por uns dez segundos e, mexendo os dedos como se contasse alguma coisa, arregalou os olhos – Ai, caramba faz mais de duas semanas que era pra ter vindo!

-Vindo o que?

-A confirmação  de não haver o “fato inconveniente”

-Mas é certinho? Não atrasa de vez em quando?

-Sim! Ai caramba, 2 semanas!

Não sabia o que dizer então apenas esperei ela dizer tudo o que se passava na cabeça dela…

-E agora? E se alguma vez “escapou”? O que eu vou fazer? Isso não pode estar acontecendo… Não comigo… Não agora…  – Ela me disse depois que, por alguns segundos, ela pensou na possibilidade de abortar, mesmo sendo totalmente contra esta prática- Isso é coisa da minha cabeça, só pode ser coisa da minha cabeça…

E, de repente, ela estava branca como um papel, com uma folha dobrada  em mãos, fracamente se abanando num movimento repetitivo quase lento.

Quando íamos saindo da sala (fomos as últimas porque ela se recusava a tentar levantar), ela balançou as pernas e caiu recostada na parede (ainda de pé).  Ficou um tempo ainda na aula, mas não conseguia tirar aquilo da cabeça, tanto que nem conseguia lembrar do que havia estudado, teve de ir embora pois sabia que não ia tirar uma nota sequer considerável naquele estado.

Depois ela me contou o que sucedeu:

Um de seus pais foi buscá-la e, no caminho, teve a ideia de comprar um remédio para mal-estar e, aproveitando a oportunidade, comprar um teste também… O plano deu errado. Ele (a) desceu junto com minha amiga de modo que ou ela escondia sua aflição e continuava naquela angústia ou abria o jogo. Ela escolheu a segunda opção.

-Por favor um “??????”

-Pede um teste também.

-Um o quê?

-Um teste.

-Eu não acredito que você…

-Pede aí

-Um teste por favor.

Fico imaginando o constrangimento dela, tudo o que se passou na cabeça dela em 2 segundos, o desespero dela era algo quase empático,por pouco não conseguia ler sua mente, mas podia ver que, algumas vezes ela parava o olhar para planejar seu futuro, para onde fugiria, como pagaria suas contas…

A propósito, tudo não passou de um susto que muitas meninas passam: Quando algumas (a maioria das) meninas têm sua primeira relação, seu organismo reajusta tudo, todo o calendário inclusive. Uma coisa pouco comentada que assusta algumas meninas mais desesperadas que sequer pesquisam na internet antes de tomar decisões.

Este dia eu jamais vou me esquecer… acredito que ela também não rsrs.

Até breve

;*

Anúncios

Olá :)

Eu criei esse blog num ato de desespero incontrolável dado ao fato de que estava me submergindo de histórias, conversas, sonhos, pensamentos… E algumas coisas prefiro não guardar… Algumas coisas eu prefiro ensinar, ainda que seja pra ninguém, pode ser que seja para mim.

Por que eu não fiz um diário? Porque um diário só eu leio, depois eu me divirto com as minhas histórias, mas eu queria falar e queria um meio, ainda que ninguém prestasse atenção. Ao menos eu disse.

Confesso, entretanto, que a maioria das postagens serão coisas que amigos (ou amigas, ou conhecidos, ou conhecidas, ou conhecidos de amigos de conhecidos) vivenciaram e, algumas poucas, minhas. Sou jovem demais pra contar de algumas coisas porque ainda não vivi o suficiente, mas sei de gente que já viveu. Conheço gente, um tanto de gente, suficiente pra ter história.

Não costumo discriminar minhas histórias das histórias dos demais, portanto, cabe a você descobrir quando o “Uma vez eu ouvi de alguém…” ou o  “Minha amiga me contou que…” é verdade ou apenas uma forma de eu me afastar dessa história.

Dica: Na maioria das vezes é verdade – Até porque não sei mentir nem em postagens 😉

xoxo

Até breve